Depois da independência de Angola e Moçambique, há praticamente 40 anos, o português adquiriu rapidamente certos traços específicos nesses países.

A Gramática do Português que a Fundação Calouste Gulbenkian publicou em 2013 inclui um capítulo da autoria da Professora Perpétua Gonçalves, no qual se enumeram as características destas duas novas variedades linguísticas idem, pp. 157-177). De forma muito sumária, mencionemos aqui algumas (PA= português de Angola; PM=português de moçambique; os exemplos são pertencentes à fonte consultada, podendo ter sido adaptados):

1. Aspetos fónicos:

– padrão silábico constituído por consoante-vogal: querido, [ki’ɾidu] ou [ke’ɾidu];

– vogais átonas abertas ou semiabertas: bocado, [bo’kadu]; aluno, [a’lunu];

– influência de traços fónicos das línguas bantas: gado, [‘katu]; bolo [‘polu] (falantes de macua, Moçambique).

2. Aspetos lexicais

– empréstimos das línguas bantas (exemplos do PM): machamba, ‘terreno cultivado’; matope, ‘lama’, maçala, ‘fruto’; «nos dumba-nengue [=mercado informal]»; «cantar em coro com as timbila [=instrumento de percussão);

– palavras derivadas que não existem no português europeu: em PM, confusionar (=arranjar confusões), estilar (=exibir-se), emprestação (=empréstimo), ajudamento (=ajuda); em PA, churrascar (=fazer churrasco), bocar (=contar o que se ouviiu), cabelaria (=cabeleireiro);

3. Aspetos sintáticos

– supressão de preposições regidas por verbos: «entregou o emissário a carta» («ao emissário»); «ninguém protestou a iniciativa» («contra a iniciativa»);

– verbos intransitivos passam a transitivos: «ele evoluiu a sua aldeia» («fez evoluir»);

– possibilidade de fazer voz passiva com verbos intransitivos e transitivos indiretos: «ela nasceu um filho»; «o emissário foi entregue a carta»; «um filho pode ser nascido por ti»;

– supressão do pronome reflexo ou sua inserção com verbos que não o têm associado em PE: em PM, «ouvi um ruído e assustei»; «parecia troçar-se dele»;

– colocação dos pronomes átonos: em PM, «há pessoas que opõem-se à religião»; em PA, «te vi ontem no Roque», «ontem não viste-me»;

– expressões nominais sem artigo artigo: em PM, «faço bebida», «Malange tem diamante»; em PA, «a medida está a prejudicar atividade piscatória»;

– uso do pronome lhe: em PM, «levam a miúda para o quarto, vestem-lhe»; em PA, «a minha mãe diz que lhe vão buscar e lhe vão levar todos os dias»;

– simplificação da conjugação dos verbos: em PM, «como eu trabalha, não tem tempo», «ultimamente os casamentos não dura», «as condições não está nada bom», «meus neto são dezasseis neto»; em PA, «tu vai pagar tudo o que me fizeste», «a cerveja está caro», «eu trabalhava lá com os filipino»;

– alteração das formas de tratamento: em PM, «jovem universitário procure o teu lugar nas seis semanas de eleições», «se arrancas o salário você vai passar mal); em PA, «Consulte as listas. Angola conta contigo», «a tua vizinha diz que você saiu tarde».

Para mais pormenores sobre o português de Moçambique, consulte-se o blogue Moçambicanismos.

 

Anúncios